BRASÍLIA – Imaginem um superior hierárquico dizer a um trabalhador, em pleno ambiente de trabalho: “Você tem uma cara de homossexual terrível”. Ou: “Pare de fazer pergunta idiota! Nasça de novo!” E ainda: “Cala a boca! Vocês são uma porcaria!” Imaginem um superior hierárquico divulgando a foto de uma trabalhadora e incitando ataques contra ela nas redes sociais. Ou fazendo insinuações de cunho sexual contra outra. O que aconteceria com ele?

Há um ponto para o qual ninguém atentou ainda nas sucessivas tentativas de intimidação de Jair Bolsonaro a jornalistas, sobretudo mulheres. Além do óbvio ataque à liberdade de imprensa vetado pela Constituição, o presidente negacionista comete assédio moral, ao humilhar e constranger trabalhadores em pleno exercício da profissão.

O assédio moral acontece quando um superior hierárquico utiliza sua função de forma intimidatória, expondo um trabalhador ou trabalhadora a situações vexatórias e depreciativas, de forma repetitiva. O assediador moral se comporta desta maneira durante a jornada de trabalho, quando a vítima está no exercício de suas funções.

No ano 2000, a psiquiatra francesa Marie-France Hirigoyen ampliou o conceito de assédio moral no local de trabalho para além da relação chefe-subordinado. “Por assédio moral em um local de trabalho temos que entender toda e qualquer conduta abusiva manifestando-se sobretudo por comportamentos, palavras, atos, gestos, escritos que possam trazer dano à personalidade, à dignidade, ou à integridade física ou psíquica de uma pessoa, pôr em perigo seu emprego ou degradar o ambiente de trabalho”, publicou, no livro Assédio Moral: a violência perversa do cotidiano.

Como presidente, Bolsonaro é o líder máximo da nação. A rigor, qualquer brasileiro está em posição hierarquicamente abaixo dele. Quando ataca repórteres que estão cumprindo suas funções no ambiente de trabalho, logicamente está assediando moralmente estes trabalhadores

Ora, como presidente da República, Bolsonaro é o líder máximo da nação. A rigor, qualquer brasileiro está em posição hierarquicamente abaixo dele, inclusive jornalistas. Quando o presidente ataca repórteres que lhe fazem perguntas, ou seja, que estão no ambiente de trabalho cumprindo suas funções, logicamente está assediando moralmente estes trabalhadores.

Cabe ao MPT (Ministério Público do Trabalho) acioná-lo por cometer assédio moral no exercício do cargo. Os jornalistas atingidos também podem entrar na Justiça do Trabalho com um processo contra ele por terem sido assediados moralmente. Assediadores não podem ficar impunes –ainda mais quando o assédio assume níveis estratosféricos, praticado pelo ocupante do cargo mais alto do país.
POR Cynara Menezes
Fonte: Fórum
BNC Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.