HU-UFMA realiza cirurgia torácica inédita no Maranhão

GRANDE ILHA – A equipe de cirurgia torácica do Hospital Universitário da UFMA (HU-UFMA), vinculado a empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) realizou na última sexta-feira, 11, uma cirurgia inédita no Maranhão. Para isso, contou com a participação do renomado cirurgião que é referência no tratamento de deformidades da parede torácica, José Ribas Milanez de Campos, da Universidade de São Paulo (USP).

Trata-se de um caso de fenda esternal que evoluiu para um pectus excavatum. A fenda é uma malformação congênita rara. Resulta da falta de fusão das bandas esternais (relacionadas a um osso chamado de esterno localizado no meio do tórax) fazendo com que o coração se desloque para a frente, devido à falta de proteção óssea. A paciente, de 23 anos, universitária, nasceu sem a parede inferior, portanto sem o osso, apenas com a pele bem fina. Ela não operou quando criança, cresceu e seguiu com uma vida normal, entretanto, como a parede torácica anterior não é rígida, corre riscos. Em caso de choque frontal muito forte pode esmagar o coração ou em uma massagem cardíaca ter o órgão lesionado.

O pectus excavatum da paciente foi causado pela evolução dessa fenda. É uma deformidade caracterizada por uma depressão do osso esterno e das cartilagens costais. Essas últimas crescem um pouco mais e com isso fazem força sob o osso chamado esterno criando, então, uma cavidade na região do tórax.

O cirurgião torácico José Ribas Milanez de Campos explica o porquê desse caso ser considerado raro. “A associação de dois defeitos ao mesmo tempo corresponde a menos de 1% destas deformidades, tornando-o bem raro, ainda mais por ela já estar na fase adulta”. Em quase 30 anos de experiência na área temos conhecimento de apenas de três casos que foram operados, é como se fosse um caso a cada dez anos”.

Foram realizadas duas técnicas durante a cirurgia. Uma para tentar reaproximar as barras do esterno, unindo o lado direito com o lado esquerdo. A outra, a colocação de uma barra de aço que eleva essa deformidade referente ao pectus excavatum, buscando a sua correção.  

O cirurgião torácico que integra a equipe do HU-UFMA, Armando da Veiga, esclareceu sobre esse último método. “Fizemos por meio da técnica de Nuss, um procedimento minimamente invasivo. É colocado uma barra metálica curva, por meio da videotoracoscopia. Após sua introdução, é feita uma rotação de 180º para que a curvatura da barra e a da parede torácica anterior sejam coincidentes. Após três anos essa barra será retirada”. A paciente se recupera bem e deve ter alta na próxima sexta-feira, 18.

Milanez destaca a importância dessa troca de conhecimentos para todos os envolvidos. “A principal razão que me trouxe a São Luís é poder juntamente com a equipe local, tentarmos montar um polo de desenvolvimento para esse tipo de cirurgia nessa região do país. Espero que seja a primeira de uma série de muitas que eles irão fazer. Momentos como esse proporcionam uma troca de experiências de uma forma enriquecedora”, finaliza.   

Sobre a Ebserh

Desde janeiro de 2013, o HU-UFMA é filiado à Ebserh, estatal vinculada ao Ministério da Educação que administra atualmente 40 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.

BNC Geral

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.