CRICIÚMA – Às 23h50 de segunda-feira (30) começou o assalto a uma agência do Banco do Brasil no centro de Criciúma, sul de Santa Catarina. Um grupo fortemente armado invadiu a tesouraria regional de um banco, provocou incêndios, bloqueou ruas e acessos à cidade, usou reféns como escudos e atirou várias vezes.

ação é inédita no estado, pela dimensão e violência, segundo o delegado Anselmo Cruz, titular da Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais de Santa Catarina.

Veja a cronologia do caso, segundo apuração inicial da polícia:

23h40: Caminhão incendiado

Criminosos com armas de grosso calibre e embarcados com cerca de 10 veículos lançaram um caminhão em frente ao 9º Batalhão da Polícia Militar e atearam fogo. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o veículo tinha placa da cidade de Dumont (SP) e foi atravessado no túnel do morro do Formigão, na BR-101, na cidade de Tubarão.

O veículo foi incendiado. Também foram espalhados miguelitos (apetrechos de metal capazes de furar pneus de carros) para dificultar a ação da polícia e dos bombeiros.

Os criminosos atiraram em direção ao batalhão, mas nenhum policial militar foi atingido.

23h50: troca de tiros na altura do Shopping Criciúma

Houve troca de tiros entre criminosos que estavam em outro carro e policiais que estavam em uma equipe de Rádio Patrulha e outra do Pelotões de Patrulhamento Tático (PPT). Eles se cruzaram na altura do Shopping Criciúma.

Durante a troca de tiro, o soldado Jefferson Luiz Esmeraldino foi atingido. Ele passou por uma cirurgia e está internado no Hospital São José. Segundo a polícia, seu estado é estável porém “ainda preocupante”.

Reforços foram solicitados ao Comando Geral da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC).

0h00: Criminosos se dirigem ao Centro

Os criminosos seguiram em direção ao Centro de Criciúma e fecharam ruas, abordaram veículos e iniciaram uma série de disparos de arma de fogo.

0h10: Explosão em bancos e uso de reféns

Os criminosos utilizaram explosivos para efetuar o roubo de uma agência do Banco do Brasil, na Avenida Getúlio Vargas, e os disparos ainda continuavam.

Seis trabalhadores do Departamento de Trânsito e Transporte (DTT) de Criciúma foram feitos de reféns. Segundo a prefeitura, três deles foram obrigados a auxiliar no carregamento dos malotes de dinheiro do banco até os veículos dos criminosos.

Os funcionários da prefeitura foram rendidos, obrigados a tirar as camisas e sentar na faixa de pedestre a poucos metros da agência bancária que foi alvo dos bandidos para dificultar a ação da polícia.

De acordo com Paulo Borges, coordenador do DTT, os servidores estavam fazendo a pintura de faixas e sinalização da via, por volta da meia-noite, quando foram abordados pelo grupo encapuzado.

2h: Criminoso se direcionam a Nova Veneza

Criminosos fugiram em direção à cidade de Nova Veneza, distante 18 km ao noroeste de Criciúma.

Parte do dinheiro ficou espalhada pelas ruas. Valor levado e abandonado não foi calculado até a última atualização desta reportagem.

3h: Reforços começaram a chegar

A prefeitura pediu ajuda a batalhões da Polícia Militar de municípios vizinhos e também para cidades do Rio Grande do Sul.

5h40: 4 pessoas são presas com dinheiro do assalto

Quatro homens foram detidos pelo furto das cédulas abandonadas pelos criminosos. Segundo a Polícia Civil, eles foram encontrados em um apartamento com mais de R$ 810 mil dentro de duas malas.

Dois suspeitos de 24 anos e outros dois de 27 e 28 anos devem ser encaminhadas ao Presídio Regional. Além disso, a polícia encontrou espalhado pelas ruas cerca de R$ 300 mil.

6h30: 10 veículos são encontrados em Nova Veneza

Segundo o delegado regional Vitor Bianco, os carros utilizados são de “alta potência e grande valor comercial”, de marcas como Audi, Land Rover, BMW, Mitsubishi e Volkswagen.

Alguns tinham placas de São Paulo, mas até a publicação desta reportagem a polícia não sabia se elas eram verdadeiras ou falsas.

8h: explosivos desarmados no Centro

Quatro artefatos explosivos foram desativados pelo esquadrão de bombas do cobra. Três estavam nas proximidades da Praça do Congresso e um na agência do Banco do Brasil.

Fonte: G1

BNC Polícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.