SÃO LUIS – O poderio econômico dos europeus e o decantado talento do jogador brasileiro sempre compuseram a fórmula padrão do caminho América do Sul-Europa ao longo dos tempos.

Desde os pioneiros José Altafini, Amarildo, Julinho Botelho até a geração de Neymar e Gabriel Jesus, passando por ídolos como Zico, Sócrates e Edmundo, o jogador brasileiro é cobiçado nas grandes ligas europeias, apesar de, aparentemente, não estarmos produzindo tantos craques assim como antigamente.

Mas o caminho inverso, embora raro, também já foi percorrido, com alguns casos de sucesso – e outros nem tanto – de jogadores europeus que decidiram mostrar seu futebol em terras tupiniquins.

Provavelmente, o de maior nome e repercussão foi o holandês Clarence Seedorf, que é o único atleta a conquistar a Champions League por três times diferentes, e emprestou seu talento ao Botafogo entre 2012 e 2013, quando foi campeão carioca.

Outro atleta europeu que marcou sua passagem no Brasil foi o zagueiro espanhol Pablo Marí, que, embora não fosse conhecido, fez parte do fantástico time do Flamengo de 2019, que ganhou Brasileirão e Libertadores, e com excelentes atuações, a ponto de despertar o interesse do Arsenal, que o contratou.

Podemos lembrar do também espanhol Juanfran, misto de zagueiro e lateral com carreira consolidada no Atlético de Madrid e Seleção Espanhola, que veio jogar pelo São Paulo entre 2019 e começo de 2021.

Mas ídolo mesmo e praticamente brasileiro pelo tempo que atuou e mora no país é o sérvio Dejan Petkovic. O craque chegou ao Vitória em 1997 e, entre idas e vindas, jogou em vários clubes brasileiros, com maior destaque no Flamengo, onde deve duas passagens marcantes e decisivas: o tricampeonato carioca de 2001 e o Brasileirão de 2009.

Além desses quatro já citados, podemos lembrar de outros europeus de passagens rápidas. O polonês Mariusz Piekarski, que atuou no Athlético Paranaense e no Flamengo, nos anos 90; o italiano Marco Osio, que chegou ao Palmeiras pela parceria com a Parmalat em 1995, mas pouco jogou; e o turco-inglês Colin Kazim-Richards, que passou pelo Coritiba e Corinthians entre 2016 e 2018.

Estamos excluindo a lista jogadores brasileiros naturalizados europeus, que, futebolisticamente falando, ocuparam ou ocupam vagas de estrangeiros quando por aqui jogaram, como é o caso de Deco, Liedson, Diego Costa, Eduardo da Costa e do atacante Eder, hoje no São Paulo.

Por Paulo Pellegrini

BNC Esportes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.