BRASÍLIA – Fiel ao discurso de campanha e aos ruralistas, o presidente Jair Bolsonaro assinou, em dezembro, medida provisória que abre caminho para a legalização de terras griladas, principalmente na Amazônia. Também congelou a reforma agrária e as demarcações de terras indígenas e quilombolas neste primeiro ano de governo.

Em 10 de dezembro, Bolsonaro assinou a medida provisória 910, que dá espaço para a privatização de terras públicas invadidas ilegalmente até o final de 2018. Para virar lei, é preciso aprovação no prazo máximo de 120 dias pelo Congresso, onde terá o apoio da bancada ruralista.

É a segunda anistia à grilagem dos últimos anos. Em 2017, o governo Michel Temer (MDB) já havia estendido o prazo para a regularização de terras públicas invadidas de 2004 para 2011.

A nova MP ainda estabelece que o Incra (órgão federal de terras) não exigirá vistoria prévia para regularizar imóveis de até 15 módulos fiscais (de 75 hectares a 1.650 ha, dependendo do município). O limite anterior era de 4 módulos fiscais (20 ha a 440 ha).

O governo afirma que a medida beneficiará 300 mil famílias instaladas em terras da União, principalmente em projetos de reforma agrária. Assegura também que fará vistoria caso o imóvel esteja embargado por infração ambiental ou tenha suspeita de outras irregularidades.

Apesar do discurso oficial de que as mudanças favorecem o pequeno produtor, a MP 911 foi criticada por organizações que defendem a reforma agrária, como a CPT (Comissão Pastoral da Terra), e elogiada por entidades ligadas ao agronegócio, caso da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Para a CPT, a MP fortalece a aliança de Bolsonaro com o agronegócio ao mesmo tempo em que não inclui a demarcação de terras, um dos principais focos de conflitos.

No documento “Perspectivas 2020”, a CNA afirma que a medida vai aumentar a segurança jurídica dos produtores que atuam na Amazônia Legal. A entidade também espera que Bolsonaro avance em sua promessa para criar legislação que permita agricultura mecanizada e pecuária em terras indígenas.

Membro do Grupo de Trabalho Terras Públicas e Desapropriação, do Ministério Público Federal, o procurador da República Marco Antonio Delfino diz que “a MP 910 é o maior presente do Natal para os grileiros de todos os tempos”.

“Nunca houve nada tão escandaloso, nada que fizesse tão jus ao mantra de que o crime compensa do que a MP 910”, diz Delfino, lotado em Dourados (MS), região com o maior número de disputa de terras entre indígenas e fazendeiros. “Tanto do ponto de vista conceitual quanto de dano ao patrimônio, nunca houve algo nessa escala.”

Delfino cita a possibilidade de pagar terras públicas invadidas com preços de até 40% do valor de mercado e linhas de crédito para quem for regularizado pelas novas regras. Isso porque o valor é calculado pela tabela do Incra, bem abaixo do mercado de terras.Com relação ao crédito, Delfino afirma que, como os títulos são concedidos com cláusulas resolutivas (a escritura é emitida antes do pagamento total), o imóvel poderá ser usado como garantia para empréstimos bancários.

“Quantos brasileiros com imóveis financiados têm a possibilidade de usá-los como garantia bancária? Nenhum. Mas o grileiro vai poder usar uma propriedade que não foi consolidada”, compara.”A pergunta que se faz é óbvia: e se não pagar? Aí a população fica com duplo prejuízo: desmatamento e perda de biodiversidade e dano ao erário.”

Enquanto a anistia à grilagem avança, os projetos federais de assentamento estão parados no Incra.Documento do Incra obtido pela reportagem traz 289 processos de desapropriação para reforma agrária com futuro incerto, alguns que se arrastam desde 1997. O governo federal emitiu Títulos da Dívida Agrária (TDA), usados para indenizar os proprietários, mas a disponibilização para reforma agrária depende da indenização das benfeitorias, à parte.

Ligado ao agronegócio, Melo Filho está no cargo desde outubro. Seu antecessor, o general João Carlos Jesus Corrêa, foi demitido por pressão do secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, o ruralista Nabhan Garcia. Ele defende a desistência dos processos de desapropriação para reforma agrária, proposta que sofria resistência do militar.

De janeiro até 13 de dezembro, o Incra afirma ter homologado 5.132 famílias como beneficiárias da reforma agrária. Trata-se do terceiro número mais baixo dos últimos 25 anos e se refere a processos antigos de regularização.

Já a demarcação de terras indígenas e quilombolas foi zero em 2019. Bolsonaro tem reiterado que não assinará nenhuma criação de terra indígena, em outra decisão alinhada com a bancada ruralista.O presidente chegou a tentar transferir a demarcação de terras da Funai (Fundação Nacional do Índio) para o Ministério da Agricultura, mas a mudança foi barrada pelo Supremo Tribunal Federal. O órgão indigenista está sob o comando do delegado da Polícia Federal Marcelo Xavier da Silva, apadrinhado de ruralistas.

“Antes, o processo de demarcação era técnico, mas a decisão de demarcação era política”, afirma Delfino. “Agora, há uma politização do processo inteiro. É um movimento para colocar pessoas sem experiência, que não são antropólogos. A ideia é desmontar o processo desde o início.”

Com informações da Folhaexpress

BNC Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.