PARANÁ – Em apenas uma semana, o Paraná registrou mais 12 mortes por dengue, somando 49 ocorrências desde agosto de 2019, indica novo boletim da secretaria estadual de saúde divulgado nesta terça-feira (17).

O número de casos confirmados da doença chegou a 65.524, quebrando o recorde histórico do Paraná, que era de 56.300 registros, com 61 mortes, entre 2015 e 2016.

São 12.872 casos a mais que o divulgado no último boletim, da semana anterior, representando um aumento de cerca de 24%. Desde o início do ano, o número de casos confirmados aumentou 1.245%.

Quase todos (357) dos 399 municípios do estado têm notificações. Desses, 147 estão em situação de epidemia.

A preocupação não é só sobre o número de casos, mas com o estado dos pacientes. Entre os quatro sorotipos da doença, a que tem se manifestado de forma recorrente no Paraná é a de tipo 2, mais grave que a comum, provocando até hemorragias.

Outra apreensão é sobre o avanço do novo coronavírus no estado. O número de casos registrados dobrou em menos de uma semana, passando de seis para 12 até esta terça-feira. Em apenas um dia, subiu de 85 para 240 os registros de pacientes com suspeita da doença.

Mesmo com o vírus, o estado mantém para o próximo sábado (21) uma mobilização de combate à dengue em 60 municípios com os maiores índices de casos confirmados. A ação contará com a participação de 600 soldados do exército e 60 integrantes da defesa civil.

A regional de Londrina é a uma das que mais apresenta registros de dengue no estado. Só no município, segundo maior do Paraná, são 6.649 casos confirmados.

Com a incidência, a rotina na cidade mudou. Foram realizados nove mutirões até então, com recolhimento de quase 2.000 toneladas de lixo. Também foram instaladas mil armadilhas para controle do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

A prefeitura ainda instituiu uma multa para moradores de imóveis que tiverem focos do mosquito. A taxa varia de R$ 50 a R$ 300, de acordo com a incidência.

O secretário de saúde do município, Felipe Machado, ressalta que os mutirões de limpeza nos bairros estão mantidos até segunda ordem, mesmo com a chegada do coronavírus no estado.

“Não se exclui a possibilidade de contaminação [pelo coronavírus], mas, a princípio, ainda não vamos restringir nenhum plano de ação. Evidentemente que, se o cenário muda de uma hora para outra, isso será avaliado”, afirma.

O município também está contratando novos profissionais de saúde de forma emergencial e montou um centro exclusivo de tratamento da doença, com capacidade para 500 atendimentos diários.

Com Informações da Folhaexpress

BNC Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.