GRANDE ILHA – Com um público estimado em dez mil pessoas durante presente em oito dias de programação, o 41º Festival Guarnicê de Cinema encerrou a edição deste ano comemorando o sucesso de uma das mostras mais antigas do Brasil. Foram exibidos 117 filmes nas mostras competitivas e especiais, realizadas 11 ações formativas, incluindo oficinas, workshop, master class e bate papos e um público de cerca de 700 pessoas.  O Guarnicê também alcançou 1.500 alunos das redes pública estadual e municipal que participaram das Mostras Guarnicêzinho e Jovem.

O Festival Guarnicê de Cinema é promovido pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), por meio do Departamento de Assuntos Culturais –DAC da Pró-Reitoria de Extensão Cultura e Empreendedorismo – PROEXCE), conta com patrocínio da Cemar, Governo do Maranhão/Sectur, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e co-patrocinio do Banco do Nordeste. Ainda tem o apoio da Fundação Sousândrade, Assembleia Legislativa, Fundação Josué Montello, Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), Rádio Universidade FM, TV UFMA, CiaRio Brasil, MISTIKA e Academia Internacional de Cinema.

O sucesso do 41º Guarnicê foi coroado com a solenidade de premiação no último sábado, 16, no Teatro Alcione Nazareth, ocasião em que foram anunciados os vencedores do festival nas mais diversas categorias. “Encerramos mais uma edição do festival com a sensação do dever cumprido. “O Festival Guarnicê de Cinema constrói a sua história há mais de quatro décadas, superando as adversidades econômicas, culturais e sociais, respeitando a pluralidade de opinião”, disse a coordenadora geral do Guarnicê e diretora do Departamento de Assuntos Culturais da UFMA (DAC), Fernanda  Santos Pinheiro.

Representando a reitora Nair Portela, a pró-reitora de Extensão, Cultura e Empreendedorismo, Dorlene Aquino, enfatizou a realização de mais uma edição bem-sucedida do Festival. “A partir de amanhã já estaremos pensando na 42ª edição do Festival Guarnicê. É uma noite de muita emoção. O festival é um espaço para todos que fazem cinema no Brasil. O cinema é mais que uma arte, encanto, transformação; é, acima de tudo, resistência”, disse.

Homenagens

A noite foi também de homenagens. Na ocasião, tiveram o seu trabalho reconhecido as cineastas Anna Muylaert, que recebeu a homenagem “Personalidade nacional”, Edina Fuji e Ariadne Mazzetti, todas que se destacaram na área de audiovisual brasileira.

 “Esse festival tem grande significado por ter sido a primeira premiação que obtive na minha vida como cineasta, há 29 anos. Estou muito satisfeita de levar este prêmio hoje”, pontuou Anna Muylaert.

Na categoria Melhor Roteiro do Concurso Nacional de Filmes Curta-Metragem, o filme vencedor foi “Apenas o que você precisa saber de mim”, de Maria Augusta Nunes, que ressaltou a relevância da ampliação das discussões de gênero. “Esse é o primeiro curta que dirigi, sobre a vida de uma adolescente transexual. É importante que se coloque isso em diálogo, inclusive no cinema, que é historicamente espaço de resistência. Que ouçamos mais essa voz plural”, comentou.

O grande vencedor de estatuetas da noite foi o filme “A Moça do Calendário”, de Helena Ignez (SP), que também foi escolhido melhor longa-metragem do Concurso Nacional de Filmes do 41º Festival Guarnicê de Cinema. O escolhido como melhor filme no Concurso

Nacional de Filmes Curta-Metragem foi Torre, de Nádia Mangolini (SP). Os ganhadores na Mostra de Filmes Maranhenses como melhor Curta Metragem Documentário, assim como o melhor filme maranhense escolhido pelo Juri popular, foi “Marina”, de Taciano Dourado Brito, e o melhor curta maranhense ficção foi o filme A CAPATAZ de Daniel Lacerda e Drummond.

Foto: Sansão Hortegal

BNC Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.