BRASÍLIA – Dos mais de 8 mil cursos de graduação avaliados pelo Ministério da Educação (MEC) em 2019, apenas 2,5% receberam a nota máxima de qualidade. No outro extremo, 8% foram classificados como “insatisfatórios”. Os resultados foram divulgados pela pasta nesta quarta-feira (9).

Na avaliação, chamada de “Conceito Preliminar de Curso” (CPC), é atribuída uma nota de 1 a 5 – quanto mais alta for a pontuação, melhor. São levados em conta:

  • desempenho dos alunos na graduação e na prova do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade);
  • o nível de formação acadêmica dos professores;
  • regime de trabalho dos docentes (se é de dedicação integral ou parcial);
  • percepção dos estudantes sobre a qualidade do curso.

Em 2019, o MEC calculou o CPC dos cursos de ciências agrárias, ciências da saúde, engenharias, arquitetura e urbanismo; e dos cursos tecnológicos de ambiente e saúde, produção alimentícia, recursos naturais, área militar e segurança. Graduações em que menos de dois estudantes prestaram o Enade não foram avaliadas.

As notas são usadas, por exemplo, para a distribuição de vagas em programas do governo federal. Quando o CPC é de 1 ou 2, o MEC o considera “insatisfatório”. Foi o caso de 9,6% dos cursos de instituições privadas e de 3,4% dos de públicas.

No total, considerando todas as esferas administrativas, 687 cursos tiveram notas baixas – cerca de 8% de todos os avaliados em 2019. Na edição anterior, de 2016, o índice era um pouco menor: 7,4%.

Nota máxima

Dos mais de 8 mil cursos avaliados, apenas 212 (2,5%) receberam CPC 5.

Entre as instituições privadas, 2% tiraram a nota máxima. Nas públicas, o desempenho foi melhor: quase 4% ficaram no topo.

BNC Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.